Qorpus
  • Publicado em 16/06/2019 às 11:00

    Episódio 3, Proteus

    11 horas. Stephen passa em casa de parente e vai andar nas areias de Sandymount. Este capítulo é caracterizado pelo fluxo de consciência, estilo narrativo, onde as mudanças se concentram descontroladamente.

    Leituras: Guilherme Gontijo Flores; Marcio Markendorf; Leonardo Capeletti; Luis Henrique Garcia; Douglas Diegues; Marina Bento Vesaghem; Leonardo dos Santos Gomes; Sandra Stroparo; Myriam Ávila; Paulo Henriques Britto; Daiane Oliveira; Caetano Galindo; Maria Esther Maciel; Rodrigo Duarte; Donny Correia; Sarah Valle; Larissa Lagos; Maria Silvia Soares; Washington Dellacqua; Iam Campigotto; Vitor Amaral; Sergio Medeiros, Dirce Waltrick do Amarante e Clelia Mello.


  • Publicado em 16/06/2019 às 9:00

    Episódio 2, Nestor

    9 horas. Stephen dá uma aula de História sobre a vitória de Pirro. Após a aula Stephen mostra a um aluno, Sargent, como fazer um conjunto de exercícios de aritmética. Depois ele conversa com o diretor da escola, Sr. Deasy, de quem recebe o seu salário e uma carta para levar a jornal para publicação. Os dois discutem a história da Irlanda e do papel dos judeus na economia. Este episódio é a fonte de alguns dos trechos do romance: “a História é um pesadelo do qual estou tentando acordar”, “Deus é um barulho na rua.”

    Leituras: Guilherme Gontijo Flores; Marcio Markendorf; Leonardo Capeletti; Luis Henrique Garcia; Douglas Diegues; Marina Bento Vesaghem; Leonardo dos Santos Gomes; Sandra Stroparo; Myriam Ávila; Paulo Henriques Britto; Daiane Oliveira; Caetano Galindo; Maria Esther Maciel; Rodrigo Duarte; Donny Correia; Sarah Valle; Larissa Lagos; Maria Silvia Soares; Washington Dellacqua; Iam Campigotto; Vitor Amaral; Sergio Medeiros, Dirce Waltrick do Amarante e Clelia Mello.


  • Publicado em 16/06/2019 às 8:00

    Episódio 1, Telêmaco

    8 horas. Buck Mulligan e Stephen Dedalus, escritor vão à torre Martello, onde vivem.  Lá tomam café da manhã com um estudante inglês, Haines, e depois caminham até a praia.

    Leituras: Guilherme Gontijo Flores; Marcio Markendorf; Leonardo Capeletti; Luis Henrique Garcia; Douglas Diegues; Marina Bento Vesaghem; Leonardo dos Santos Gomes; Sandra Stroparo; Myriam Ávila; Paulo Henriques Britto; Daiane Oliveira; Caetano Galindo; Maria Esther Maciel; Rodrigo Duarte; Donny Correia; Sarah Valle; Larissa Lagos; Maria Silvia Soares; Washington Dellacqua; Iam Campigotto; Vitor Amaral; Sergio Medeiros, Dirce Waltrick do Amarante e Clelia Mello.


  • Bloomsday 2019

    Publicado em 15/06/2019 às 11:00

    O Bloomsday de Florianópolis apresenta neste ano a leitura dos 3 primeiros episódios do romance Ulisses (1922), de James Joyce, nas vozes de diferentes leitores.

    O projeto original, que prossegue, é oferecer, no futuro, a leitura integral do romance nas traduções brasileiras (Antonio Houaiss, Bernardina Pinheiro e Caetano Galindo) e recorrendo sempre a muitas vozes.

    Os episódios que apresentaremos estão todos ambientados nas primeiras horas da manhã, quando o protagonista de Ulisses, Leopold Bloom, inicia a sua jornada “mítica” no dia 16 de junho de 1904. Acompanhe em qorpus, a partir das 8h da manhã do domingo, 16 de junho.



  • EDITORIAL N. 029 – 30/03/2019

    Publicado em 30/03/2019 às 19:06

    EDITORIAL N.029

     

    Neste novo número do jornal “Qorpus”, homenageamos a obra da grande artista plástica portuguesa Paula Rego, de quem reproduzimos algumas gravuras góticas neste editorial.

    “O corvo e seu gato” (1994), Paula Rego

    Na seção “Como é/Ensaios”, o leitor lerá textos, assinados por diferentes ensaístas e tradutores, sobre Samuel Beckett, Eugênio de Andrade, poesia de vanguarda, Nicanor Parra, Robert Walser, Edgar Alan Poe, Honoré de Balzac, Luci Collin e Ricardo Aleixo.

    “A casa do corvo” (1994), Paula Rego

    Já na seção “Teatro na Praia/Textos criativos”, os destaques são obras de Guto Lacaz, Iam Campigotto, Wislawa Szymborska, Jacinto Benavente e Charlotte Riddell. A poesia visual contemporânea também integra esta seção.

    “O corvo noturno” (1994), Paula Rego

    Na seção “…à procura de autor/Entrevistas”, o jornal publica uma conversa com Eneida Favre e, na sequência, uma entrevista com Gilson Dimenstein Koatz.

     

    “O corvo” (1994), Paula Rego

    Na “Agenda Cultural”, um convite para o Mollysday 2019, um Bloomsday em homenagem a Molly Bloom.

     

    Boa leitura,

    Aurora Bernardini,

    Dirce Waltrick do Amarante e

    Sérgio Medeiros.

     

     

     


  • EDITORIAL N. 028 – 10/12/2018

    Publicado em 10/12/2018 às 21:14

    EDITORIAL N. 028

     

    Neste número, o último de 2018, o periódico “Qorpus” oferece, na “Janela como é/ Ensaios”, o Dossiê Samuel Beckett, com textos de Annita Malufe, Sílvio Ferraz, Vitor Alevato e Leonardo Samarino, estudiosos destacados da obra do dramaturgo e ficcionista irlandês. Faz parte do mesmo dossiê um texto sobre a vida e a obra de Beckett, por Simor Coveny, Ministro das Relações Exteriores da Irlanda.
    Maria Aparecida Barbosa, também nessa janela, discute ideias de Claude Lévi-Strauss e de Viveiros de Castro.
    Outros ensaios, de diferentes autores, abordam, na mesma janela, assuntos diversos, entre os quais feminismo, exílio e Horácio Quiroga.

    “Quadrado negro”,  1915, K. Malevich.

    Na janela “… à procura de autor/ Entrevistas”, o editor Samuel León fala da crise das livrarias na América Latina e, na entrevista seguinte, o escritor da Costa do Marfim, Yeo N’gana, fala de sua poesia.

    “Círculo Negro”, 1915, K. Malevich

    Na janela “Teatro na Praia/ Textos Criativos”, o “Qorpus” oferece ao leitor versos inéditos de Affonso Ávila, um poema do último livro de Paulo Henriques Britto e um conto da uruguaia Rosario Igoa, entre outros textos.

    “Cruz Negra”, 1915, K. Malevich

    Na agenda cultural, Clélia Mello apresenta uma amostra da obra da artista plástica Alicia Rossi.
    As obras suprematistas que ilustram este edital, “Quadrado negro”, “Círculo negro” e “Cruz negra”, criadas por K. Malevich a partir de 1915, na Rússia, foram chamadas de “o rosto do tempo”, pois encerraram uma época na pintura ocidental e iniciaram outra, imprevista e fértil, à medida que o quadrado primordial ia girando ou se desdobrando na tela.

    Boa leitura,
    Aurora Bernardini,
    Dirce Waltrick do Amarante e
    Sérgio Medeiros.


  • EDITORIAL N.027 -08/07/2018

    Publicado em 08/07/2018 às 14:39

    EDITORIAL N.027

     

    Neste novo número do jornal “Qorpus”, o leitor encontrará na “Janela como é/ Ensaios” textos variados que tratam de música, cinema, quadrinhos, filosofia, diários, tradução e de arte política e engajada, assinados por diferentes colaboradores: Maria Aparecida Barbosa; Aleksandra Pluta; Diogo Berns; Eloisa Dall’Bello; Elys Regina Zils e Mary Anne Warken S. Sobottka; Fernando César dos Santos; Roberta Lira; Rodrigo Conçole Lage; Rosangela Fernandes Eleutério; Valteir Vaz; e Victor Rafael Gonçalves Bento.

     

    Na janela “… à procura de autor/ Entrevistas”, merece destaque a entrevista com a professora francesa Marie-Claude Hubert, renomada crítica de teatro e especialista na obra de Eugène Ionesco. Nesta mesma janela, o leitor vai ler uma entrevista com Wanika King Stephens e Franzo King, pastora e cofundador respectivamente da Saint John Coltrane Church, localizada em San Francisco (E.U.A.), além de uma conversa sobre poesia com a professora Aurora Bernardini.

    Na janela “Teatro na Praia/ Textos Criativos”, o nosso jornal oferece ao leitor dois poemas de Luci Collin e uma receita nonsense de Bruna Beber.

    Na agenda cultural, recomenda-se uma importante exposição de Ernesto Neto, inspirada na cultura indígena, em Zurique, Suíça, a qual pode ser visitada pela Internet.

    Ilustram este editorial fotos de belíssimos bancos indígenas de diferentes etnias do nosso País.

     

    Boa leitura,

    Aurora Bernardini,

    Dirce Waltrick do Amarante e

    Sérgio Medeiros.


  • EDITORIAL N. 026 – 11/03/2018

    Publicado em 11/03/2018 às 14:21

    EDITORIAL N.026

    No seu primeiro número de 2018, o jornal “Qorpus” destaca, na “Janela como é”, um ensaio de Aurora Bernardini em homenagem ao pensador italiano Mario Perniola, morto recentemente, no qual se discute a pertinência da interdisciplinaridade: “Dar apenas a separação entre literatura e filosofia é inadmissível, hoje, mas mais perigoso ainda é a separação entre ciências humanas, ciências exatas e as aplicações tecnológicas. A interdisciplinaridade e o desejado alargamento das opções por disciplinas nas Universidades, não apenas permitiram o intercâmbio de métodos, sugestões, descortinos, sínteses, mas também levaram a uma abertura, a uma afinação, a um enriquecimento das mentes dos beneficiários”.

    Robert Rauschenberg, “Monogram” (1955-1959).

    Nesta mesma janela, Piotr Kilanowski fala sobre a sua tradução de Osman Lins para o polonês.

    Em “Como é”, há ensaios inéditos, assinados por vários colaboradores deste jornal, sobre cinema, teatro, literatura e sociologia, em consonância com o discurso da interdisciplinariedade.

    Robert Rauschenberg, “Persimmon” (1964).

    Na janela “… à procura de autor”, uma entrevista com o poeta e performer Ricardo Aleixo, considerado um dos mais importantes artistas da cena poética atual.

    Robert Rauschenberg, “Pilgrim” (1960).

    Na janela “Insulto ao público”, uma peça nova: “As emas do general Stroessner”, de Sérgio Medeiros, que satiriza ditaduras e ditadores latino-americanos, a partir da perspectiva das aves.

    Robert Rauschenberg, Mud Muse (1968-1971).

    Na “Agenda Cultural”, a estreia da Ópera-Rock “Frankestein”, de Alberto Heller.

    Ilustram este editorial obras de Robert Rauschenberg (1925-2008) que estiveram recentemente numa grande exposição no MoMA de San Francisco, EUA, dedicada ao artista: “Erasing the Rules”.

    Boa leitura,
    Aurora Bernardini,
    Dirce Waltrick do Amarante e
    Sérgio Medeiros.


  • EDITORIAL N. 025 – 05/11/2017

    Publicado em 05/11/2017 às 20:04

    EDITORIAL N.025

     

    Na última edição deste ano do jornal on-line “Qorpus”, oferecemos ao leitor ensaios inéditos na janela “Como é”: o professor e tradutor da Universidade Federal do Paraná, Piotr Kilanowski, escreve sobre a poesia de Anna Świrszczyńska e apresenta traduções de poemas do livro recém-lançado no Brasil, “Eu construía a barricada”, da escritora polonesa.
    Nessa mesma janela, Flávio Vassoler fala sobre Dostoiéviski; Daiane Oliveira traduz um artigo de François Laere sobre “Finnegans Wake”, de James Joyce, e Larissa Lagos traduz uma carta de Samuel Beckett.
    Há ainda, em “Como é”, um ensaio de Bruna Meneguetti sobre o centenário de Maria Firmina, considerada a primeira romancista negra do Brasil, entre outros textos.

    Accumulations, Big Parade, 1976, Arman

    Na janela “… à procura de um autor”, o “Qorpus” oferece aos leitores quatro entrevistas, sendo uma com o cineasta irlandês Alan Gilsenan, e outras duas com os estudiosos Malcolm McNee, que fala sobre a poesia brasileira nos Estados Unidos, e Antonia Javiera Cabrera Muñoz, que discorre sobre Nicanor Parra. O leitor encontrará ainda uma entrevista com a tradutora de Karl Kraus, Mariana Ribeiro de Souza.

    Cello Chairs, 1993, Arman

    Na janela “Teatro na Praia”, o destaque é um conto do último livro de Luci Collin, “Peça intocada”. Nesta mesma janela, uma breve e diversificada antologia de textos dramatúrgicos brasileiros contemporâneos e um conto de William Faulkner traduzido por Sueli Cavendish.

    Artériosclérose, 1961, Arman

    Na agenda cultural, o destaque é o colóquio sobre “Um século de vanguarda”, no dia 7 de dezembro, no anfiteatro da reitoria da Universidade Federal do Paraná.

    O leitor que abrir a janela “Insulto ao público” encontrará à sua disposição uma nova peça teatral: “Luar”, de Filipo Tommaso Marinetti.

    Na janela “Boca de Ouro”, o “Barco Ébrio”, de Arthur Rimbaud, na tradução de Ivo Barroso, em homenagem ao Professor e Ex-Reitor Luiz Carlos Cancellier de Olivo.

    Luth en Cascade, 2000, Arman

    Ilustram o editorial desta edição obras do artista francês Armand Pierre Fernandez (1928–2005), Arman, um dos “novos realistas”.

    Boa leitura,
    Aurora Bernardini
    Dirce Waltrick do Amarante e
    Sérgio Medeiros


  • EDITORIAL N.024 – 26/06/2017

    Publicado em 26/06/2017 às 16:40

    EDITORIAL N.024

     

    Neste mês de junho estamos lançando mais um número do nosso jornal on-line “Qorpus”, com textos preparados especialmente para esta edição.

    Na janela “Como é”, o leitor poderá ler, entre outros textos: “Os Rubaiyat de Manuel Bandeira e de Torrieri Guimarães”, de Denise Bottmann;
    “Cinema no contexto da história da arte”, de Donny Correia; “As poéticas de Joyce: Finnegans Wake”, de Aurora Bernardini; “Manifesto Kurima Bantu Mulheres Mudempodiro”, de Roberta Lira.

    “Vestes Rituais”, Berenice Gorini

    Em “… à procura de um autor”, o “Qorpus” oferece aos leitores uma entrevista com o professor e tradutor José Roberto O’Shea, um dos maiores especialistas em Shakespeare do país.

    Sem título, Berenice Gorini

    Na janela “Teatro na Praia”, o destaque é uma breve e diversificada antologia de contos brasileiros contemporâneos, que traz textos de autores com livros publicados na área da narrativa curta, como Carlos Henrique Schroeder, Luci Collin, Márcio Renato dos Santos, Maria Esther Maciel, Márwio Câmara, Pádua Fernandes, Péricles Prade e Veronica Stigger.

    Bonecos de Berenice Gorini

    Na agenda cultural, o destaque é a exposição de trabalhos do poeta Arnaldo Antunes no MASC, Florianópolis, durante a qual será apresentada a conferência “Vanguarda e Androides”.

    Disolución, Concón, Cecilia Vicuña

    O leitor que abrir a janela “Insulto ao público” encontrará à sua disposição novas peças teatrais: “As duas mortes de Roger Casement”, de Domingos Nunez, e “Um pássaro sobre o frio”, de Afonso Jr. Ferreira de Lima.

    El Quipu Mestrual, Cecilia Vicuña

    As obras que ilustram este editorial são de duas importantes artistas sul-americanas: a catarinense Berenice Gorini e a chilena Cecilia Vicuña.

     

    Boa leitura,
    Aurora Bernardini
    Dirce Waltrick do Amarante e
    Sérgio Medeiros